ENTREVISTA: Rodrigo Bertoccelli

07/03/2018

Rodrigo Bertoccelli, presidente do Instituto Brasileiro de Direito e Ética Empresarial (IBDEE), é um dos apoiadores da campanha. Acompanhe a entrevista:

 

Na sua opinião, como podemos contribuir para que todos tenham o direito à água assegurado?

 

Rodrigo: Por meio da conscientização dos cidadãos através de ações de educação ambiental, bem como da reivindicação desse direito perante as autoridades públicas e a participação do Ministério Público na tutela desse direito difuso.

 

Muito se fala em escassez de água nos próximos anos, e algumas metrópoles já enfrentam uma crise no abastecimento. Como evitar que a água deixe de ser um direito e passe a ser um problema? Qual o nosso dever hoje com relação à preservação da água para gerações futuras?

 

Rodrigo: Precisamos conscientizar os cidadãos e as gerações futuras sobre o uso racional da água por meio da educação ambiental. Somos todos responsáveis pela preservação da água para as gerações futuras. O Brasil tem o compromisso de cumprir suas metas de universalização dos serviços de água e esgoto.

 

Em 15 anos, o Brasil pretende universalizar seus serviços de saneamento, mas ainda estamos muito longe disso? Como o país poderá manter esse compromisso com a universalização?

 

Rodrigo: Sim, infelizmente ainda estão muito longe da universalização. É certo que o saneamento precisa de vontade política e também muito investimento, mas faltam projetos tecnicamente bem elaborados capazes de receber esses recursos, muitas vezes em razão da maioria das prefeituras não terem condições técnicas para elabora-los. Além da qualidade dos projetos, precisamos avançar em uma regulação dos serviços ainda mais técnica e independente dos interesses políticos, assim como enfrentar definitivamente incertezas de natureza regulatória como a questão do compartilhamento dos interesses municipais e estadual em regiões metropolitanas.

 

Para universalizar, é preciso acelerar os investimentos. De que forma conseguiremos investir mais no saneamento? A parceria com a iniciativa privada é uma alternativa?

 

Rodrigo: A universalização do atendimento e a prestação de um serviço eficiente deve ocupar o centro da discussão. Neste sentido, o setor privado é uma alternativa cada vez mais sólida para desenvolver projetos técnicos de qualidade, aportar o seu capital e prestar os serviços com qualidade para a população. Precisamos, portanto, construir mais pontes entre o setor público e o privado para pavimentar uma relação coordenada, transparente e colaborativa, que garanta segurança jurídica para a realização dos investimentos ao mesmo tempo em que se preserve o interesse público.