ENTREVISTA: Newton de Lima Azevedo Jr

22/03/2018

Newton de Lima Azevedo Jr. tem larga experiência no saneamento. Hoje, ele está à frente do projeto de qualificação voltada para o setor promovido pela Associação Hydrus Brasil, uma organização sem fins lucrativos, criada em 2015, por meio de uma parceria da Lima Azevedo Engenharia e Consultoria Empresarial e o Office International de l´Eau (OIEau), empresa francesa referência no setor.

 

Em Brasília, durante o 8º Fórum Mundial da Água, ele falou com exclusividade para nossa campanha, principalmente sobre as possibilidades de qualificação no setor, uma das oito mensagens da #SOMOSMAISSANEAMENTO.

 

Qual a importância de uma campanha como essa?

 

Newton: A campanha chega num momento muito importante, de recomposição de um setor em que sempre discutimos muito e resolvemos pouco. A ideia de termos oito pontos bem focados e passíveis de serem divulgados e incorporados pelas pessoas foi muito boa. Fiquei particularmente feliz pelo fato de que uma dessas mensagens se refere diretamente à formação e capacitação profissional para o saneamento, área em que estou envolvido nesse momento.

 

Como o saneamento poderá se beneficiar com a capacitação profissional?

 

Newton: A capacitação é um dos mais importantes investimentos que podemos fazer, inclusive entre os trabalhadores que estão na linha de frente da operação das concessionárias. De maneira geral, os operários das empresas de saneamento, sejam elas públicas ou privadas –  representam em torno de 70% da mão de obra dessas companhias, cerca de 150 a 170 mil pessoas –, esses profissionais possuem uma carência muito grande de formação, e muitas vezes são oriundos de setores que não têm nada a ver com o saneamento. O treinamento desse pessoal será um grande avanço para a melhoria da eficiência do saneamento no país. E do ponto de vista profissional, ocorre a maior participação desses operários, que se sentem valorizados e compram a ideia de trabalhar para superar os desafios do saneamento com muito mais vontade e vigor.

 

O saneamento pode ser uma alavanca para a criação de novos empregos, nesse momento em que o Brasil tanto precisa disso?

 

Newton: Sem dúvida. O setor precisa receber investimentos, pois é gerador de emprego na base da pirâmide e em todas as regiões do país.

 

Como avalia a realização deste Fórum Mundial da Água no Brasil?

 

Newton: Está sendo um sucesso. Mesmo com a situação do país, nós conseguimos mobilizar a sociedade para o tema da água. E sociedade aqui devemos entender como todo mundo que bebe água. Todos são interessados no tema. Por isso, o Fórum não pode ser elitista, precisa ter a leveza de falar com a população, como estamos fazendo com a campanha.